Home » Família Dominicana

Família Dominicana

Comentário às Leituras Dominicais (Abr 2018) por fr. José Nunes, op

Comentário às Leituras Dominicais (Abr 2018)      por fr. José Nunes, op - Instituto S. Tomás de Aquino

 

15 Abril – III Domingo de Páscoa – Ano B

Para além de estarmos ainda a celebrar no horizonte próximo da ressurreição de Jesus, sem dúvida que as três leituras de hoje têm um ponto em comum: o arrependimento pelo pecado cometido e o perdão concedido por Deus ao pecador. De resto, como vimos no domingo passado, a presença do Ressuscitado no seio da comunidade dos discípulos suscita alegria, coragem, paz e perdão.

Pedro faz um discurso aos seus compatriotas (livro dos Actos) e chama-os à razão: cometeram um pecado grave e uma enorme injustiça condenando e matando Jesus; agora devem arrepender-se e converter-se, e o Deus de bondade perdoará.

João, na sua primeira epístola, exorta a não pecar. Mas, conhecendo a natureza humana, sabe que o pecado é realidade comum. Então lembra que Jesus Cristo, o Justo, é como que um advogado junto do Pai, que sempre nos defende e intercede no sentido do nosso perdão.

O evangelho de Lucas fala-nos do regresso dos dois discípulos de Emaús a Jerusalém: todos tinham feito a experiência do Ressuscitado (eles e os apóstolos que ainda não tinham saído da cidade). Jesus aparece de novo, e o texto quer dissipar-nos todas as dúvidas afirmando com impressionante realismo que Jesus está vivo (até come com os amigos). E, no final, mais uma vez o tema de hoje: «pregai o arrependimento e o perdão dos pecados a todas as nações».

 

15/04/2018 observações (0)

Artigo do fr. Bento Domingues, op

Artigo do fr. Bento Domingues, op - Instituto S. Tomás de Aquino


O imaginário pascal do além-túmulo

 

1. Uma biografia procura dar a conhecer o percurso entre o nascimento e a morte. A possibilidade de observar o desenvolvimento da vida intra-uterina é relativamente recente. Esta banalidade não pode ser esquecida na leitura das narrativas em torno da ressurreição de Cristo.

Depois da morte, restam apenas as marcas que o falecido deixou nas suas obras e na memória dos vivos. No entanto, o imaginário da vida depois da morte sempre suscitou e alimentou insólitas “histórias” de terror e consolação [1]. Os “mapas” da geografia do Além e das crenças nos poderes invisíveis são abundantes na originalidade de cada povo e cultura. Parece que a maioria das pessoas recusa o niilismo. Não aceita que a morte seja o fim de tudo. No vocabulário cristão, a ressurreição impôs-se, mas continua a ser difícil exprimir a significação dessa gloriosa metáfora [2].

Quando lemos e proclamamos, na Eucaristia, trechos das chamadas “narrativas da ressurreição de Cristo” (cujo facto ninguém presenciou, nem poderia presenciar), ficamos sempre mergulhados em muitas perplexidades.

Por um lado, no dizer de S. Paulo, se não há ressurreição, Cristo também não ressuscitou e, se Cristo não ressuscitou, estamos ligados a nada, ou apenas à memória do que foi e nunca mais volta.

Recordar o exemplo que Jesus de Nazaré nos deixou — a figura mais extraordinária da humanidade — deve encher de alegria crentes, agnósticos e ateus. Para os cristãos, esvaziar a sua humanidade é um atentado contra a humanização de Deus.

Por outro lado, as narrativas que falam de Jesus depois da morte enchem-nos de dúvidas e todas as exegeses aumentam as dificuldades. O que é contado aconteceu de facto, ou não são mais do que criações de uma imaginação delirante?

Nessa escrita, o verosímil e o impossível parecem constituir a originalidade do seu tecido. A actuação de Jesus umas vezes é apresentada à imagem do que aconteceu durante o seu percurso terreno, noutros casos a linguagem é de ruptura completa.

Como mostrar que Jesus ressuscitado continua a ser o mesmo que viveu com os discípulos e que agora vive numa dimensão completamente nova e indizível? Como pode atingir-nos em todos os tempos e lugares e conviver com todos os seres humanos de todas as épocas da história?

Os narradores tiveram de recorrer a todos os recursos da imaginação para exprimir o que supera a nossa experiência intra-histórica. A linguagem simbólica é muito mais realista do que a linguagem das ciências empíricas. Quanto mais poético, mais real. A música é a sua alma e apenas ela pode sugerir o que nenhuma linguagem pode conter.

2. Numa pequena tertúlia, surgiu a opinião de que essa observação era uma escapatória. Agora, as novas tecnologias oferecem e antecipam algo de muito mais milagroso e sofisticado do que as peripécias das narrativas e aventuras sobre a ressurreição.

Como sou uma nulidade acerca das possibilidades das novas tecnologias, abstenho-me do ridículo de usar as suas linguagens na interpretação dos textos do Novo Testamento.

Além disso, o uso que a liturgia católica faz desses textos não é para resolver problemas do passado nem para dar contributos à Quarta Revolução Industrial [3]. Pretende responder a esta simples questão: Jesus Cristo é ou não nosso contemporâneo? Umas vezes situamo-lo no passado, naquele tempo, ou no céu, à direita do Pai, numa espécie de férias prolongadas. Nas próprias orações das missas repete-se Ele que é Deus convosco. O Emmanuel, o Deus connosco, nessas expressões acaba por viver sem nós, situado no passado ou no “etéreo”. Não admira que as orações dos fiéis andem sempre a informar Deus acerca daquilo que por cá se passa. Não tem de ser assim.

3. A arte de entrosar o passado e o presente foi-nos oferecida por S. Lucas [4]. Escreveu um conto — os Discípulos de Emaús — como se fosse acerca do passado para dizer o que sempre acontece numa comunidade cristã. Imaginou dois dos discípulos, tristes e desiludidos pelo que aconteceu ao seu Mestre e sem esperança na ressurreição prometida. O interessante do conto é que o próprio Jesus entrou no grupo e na discussão do que tinha sido o seu julgamento. Eles estranham a ignorância e a distracção deste forasteiro e explicam--lhe, com todos os pormenores, o que Lhe tinha acontecido. Este mostra-se muito interessado. Acabam por acrescentar: “É verdade que algumas mulheres, que são dos nossos, nos assustaram; foram ao sepulcro e vieram dizer que tiveram umas visões e que Ele está vivo. Os homens verificaram a narrativa das mulheres, mas não O viram.”  

Aí, o forasteiro explicou-lhes que não estavam a entender o que tinha acontecido. Não se dá por achado e explicou-lhes, a partir das Escrituras, o que a Esse personagem dizia respeito. Estando os discípulos perto da aldeia para onde iam, Jesus fez de conta que seguia viagem. Pediram-lhe para ficar com eles. Ficou e tomou conta da casa e da mesa. Tomou o pão, partiu-o, distribuiu-o e deixaram de O ver. O espanto: enquanto O viram, não O viram. Quando O não viram, reconheceram-no no gesto eucarístico.

Este é um verdadeiro conto exemplar. Jesus Cristo é o clandestino da vida humana. Não damos por Ele, mas Ele anda sempre connosco. A celebração da Eucaristia implica uma ponte entre o quotidiano e a celebração. Mas sem o acolhimento do desconhecido não acontece nada. Certamente que Jesus não tinha uma forma especial de partir pão. Mas é Ele que é o pão da vida. A celebração semanal da Eucaristia serve para não perder a memória de Jesus, a transformação do presente e a abertura à esperança.

 

Fr. Bento Domingues                                                                           in Público, 15/4/2018

 

[1] José Mattoso, Poderes Invisíveis. O Imaginário Medieval, Círculo de Leitores, 2013

15/04/2018 observações (0)

Exposição de Arquitectura

Exposição de Arquitectura - Instituto S. Tomás de Aquino

EXPOSIÇÃO

'Dominicanos: Arte e Arquitectura Portuguesa. Diálogos com a modernidade'

A inauguração ocorrerá no dia 14 de Abril, às 16h:00, no Convento de S. Domingos de Lisboa

e estará aberta ao público até ao dia 10 de Junho.

(Folheto AQUI) + (Site do Evento AQUI)

08/03/2018 observações (0)

Clausura do Jubileu OP

Clausura do Jubileu OP - Instituto S. Tomás de Aquino
31/12/2016 observações (0)

Fotos Conferências Timothy Radcliffe

Fotos Conferências Timothy Radcliffe - Instituto S. Tomás de Aquino
29/01/2017 observações (0)