Home » Família Dominicana

Família Dominicana

Comentário às Leituras Dominicais (Set. 2020) por fr. José Nunes, op

Comentário às Leituras Dominicais (Set. 2020)      por fr. José Nunes, op - Instituto S. Tomás de Aquino

27 de Setembro – 26º Domingo do Tempo Comum – Ano A 

 

O livro do profeta Ezequiel representa um avanço grande na compreensão que o povo bíblico tinha de Deus, e também uma forma nova de entender a consciência pessoal e a responsabilidade individual de cada um pelas suas acções. Até ali, existia uma mentalidade gregária, tribal, de retribuição colectiva: uns podiam pagar pelos pecados de outros. Agora há a afirmação clara de que Deus reconhece e recompensa aquele que é justo e distingue-o daquele que é ímpio e pecador. Daqui haveríamos de tirar consequências importantíssimas para as nossas vidas nos dias de hoje: não culpar a outros pelas nossas próprias faltas nem culpar a outros pelas nossas desgraças. Cada um olhe para si e aja segundo a sua consciência e com rectidão.

A bela carta aos Filipenses tem este maravilhoso hino cristológico, no qual se afirma que Jesus Cristo é Deus mas não se valeu dessa realidade para deixar de incarnar e viver como qualquer homem ou mulher da terra. E mais: fez-se mais pequeno, fez-se servo dos homens e mulheres da terra! Esta foi (e é) a maneira de ser de Deus entre nós: ao nosso serviço, gastando a vida pelo nosso bem. O que constitui, claro, um desafio a que também nós nos ponhamos ao serviço uns dos outros, a que nós nos inter-ajudemos verdadeiramente.

No evangelho temos mais uma parábola de um pai com dois filhos: um diz que sim ao pedido do pai mas não cumpre; outro diz que começa por se negar ao apelo mas acaba por realizar a vontade do pai. Poderíamos interpretar e aplicar esta parábola em três níveis: a) primeiro, vendo no primeiro filho o povo de Israel e no segundo filho os pagãos, os não-judeus. E a verdade é que foram os pagãos os que mais facilmente aderiram a Jesus, enquanto que o povo da antiga aliança não aproveitou a eleição de fora alvo para Deus se lhe revelar; b) em segundo lugar, olhando para as comunidades do cristianismo primitivo: também ali, como sempre e em toda a parte, nem sempre são os cristãos ‘bem comportados e praticantes’ que melhor e mais coerentemente vivem o evangelho de Jesus; c) finalmente, hoje em dia, há que ter consciência de que nem sempre é o baptizado e o que vai à missa que cumprem melhor a vontade de Deus: não bastam boas intenções, não basta professar a fé de boca, é preciso agir… e, nesse sentido, reconhecer que há verdadeiros exemplos de santidade fora do espaço cristão-eclesial, pessoas mais justas e santas que muitos cristãos. O Espírito de Deus, afinal, está presente e opera em qualquer pessoa, circunstância ou lugar.

 

26/09/2020 observações (0)

Artigo do fr. Bento Domingues, op

Artigo do fr. Bento Domingues, op - Instituto S. Tomás de Aquino


Deus Onde Está?

 

1. De Fátima a Meca ou a Jerusalém, o desconsolo é evidente em quem deseja e não consegue participar nas grandes celebrações da fé a que se estava habituado. As assembleias reduzidas, com observância rigorosa do novo ritual que impõe distâncias, uso obrigatório de máscara e um ritmo marcado de purificações das mãos, acentuam um clima de desconfiança mútua num cenário de catacumba.
 
Não é por causa de qualquer medida contra a liberdade religiosa, mas para defesa das ameaças de um vírus que não pergunta aos seus hóspedes se são crentes, agnósticos ou ateus.
 
A ciência tem-se mostrado muito lenta, como é normal, a encontrar remédios para o vencer e não surgem milagres disponíveis para a substituir. A oração intensa – nas suas inumeráveis formas – pode ajudar-nos a criar em nós um espírito de resistência e de esperança. Precisamos de abrir os olhos para todas as possibilidades de trabalhar por um mundo, onde a busca da justiça, banhada de sabedoria política dos cidadãos, se torne o nosso pão de cada dia.
 
O director executivo do Programa Alimentar Mundial, David Beasley informou, perante o Conselho de Segurança das Nações Unidas, que há 138 milhões de pessoas a passar fome, mas em breve serão 270 milhões a precisar de ajuda alimentar e 30 milhões morrerão se não receberem auxílio de emergência. Este Programa não tem recursos para continuar o seu trabalho. Por contraste, no mundo inteiro há mais de dois mil multimilionários que, até com a própria pandemia, ganham milhões de dólares(1).
 
Como não pertencemos aos multimilionários nem sabemos como os convencer a partilhar o seu grande roubo à humanidade, a informação sobre esse horror pode indignar-nos, mas deixa-nos paralisados.
 
2. Não tem que ser assim(2). Há ricos que podem ouvir a voz da consciência – voz de Deus silencioso – e, em vez de se servirem do dinheiro da iniquidade para aprofundarem os abismos sociais, usem o seu talento para abrir novos caminhos para uma economia solidária. Como diz o Evangelho, é raro, mas não é impossível. Por outro lado, como esquecer as pessoas que a nível familiar, profissional, político, associativo, cultural, lúdico, resistem à mentira, à corrupção, à maldade e se prontificam a ajudar, sem alarde, quem é vítima de tantas formas de exclusão? É essa santidade anónima que é a alma do mundo.
 
Os crentes continuarão a pedir a Deus que não se esqueça dos esquecidos de todos, mas faziam melhor se pedissem à assembleia orante que não se esqueça da primeira e última pergunta de Deus(3): Que fizeste do teu irmão? É pela resposta prática a esta questão que nos tornamos humanos e divinos, responsáveis uns pelos outros, ou inumanos, quando nos auto-excluímos da verdadeira humanidade.
 
Cristo não sacralizou a pobreza. Pelo contrário. Ao centrar o seu olhar e os seus cuidados nos marginalizados, abriu o caminho aos seus discípulos: fazei tudo para eliminar as periferias, trazendo as suas vítimas para o centro das vossas preocupações.
 
Não é pedir o impossível à imaginação económica e política que não suporte ver uns poucos à mesa e a maioria à porta. Cristo deixou-nos uma parábola de fogo sobre esse escândalo(4). Segundo o Papa Francisco, as desigualdades brotam de um sistema que tem o capital como prioridade e não os direitos humanos.
 
Não me parece boa ideia reservar o encontro com Deus apenas para as celebrações litúrgicas. Cristo avisou-nos: Nem todo o que me diz Senhor, Senhor entrará no Reino de Deus, mas sim aquele que faz a vontade de meu Pai. (…) Afastai-vos de mim, vós que praticais a iniquidade(5). S. Tiago não podia ser mais sintético: a fé sem obras não é nada(6).
 
Para S. Paulo, o verdadeiro culto é a vida inconformada com a situação desumana do mundo: Por isso, vos exorto, irmãos, pela misericórdia de Deus, a que vos ofereçais como sacrifício vivo, santo, agradável a Deus. Este é que é o verdadeiro culto segundo o Espírito: Não vos acomodeis a este mundo. Pelo contrário, deixai-vos transformar, adquirindo uma nova mentalidade, para poderdes discernir qual é a vontade de Deus: o que é bom, o que lhe é agradável, o que é perfeito(7).
 
Jesus, em conversa com a samaritana, altera os lugares do culto: não é em Jerusalém nem em Garizim, mas chega a hora – e é já – em que os verdadeiros adoradores hão-de adorar o Pai em espírito e verdade, pois são assim os adoradores que o Pai pretende(8).
 
Quando fui professor de Teologia das Realidades Terrestres, procurei, com os alunos, descobrir a significação divina, cristã, das tarefas – ditas profanas – nas quais, as pessoas gastam a maior parte do seu tempo. Não se podia continuar a desvalorizar a vida doméstica, profissional, cultural, lúdica, social e política. Era necessário encontrar a alteração que Jesus Cristo introduziu na questão das relações entre sagrado e profano.
 
3. O Papa Francisco(9) não me parece muito assustado com os agnósticos, que tanto podem significar uma atitude humilde, em face do mistério do mundo, como uma interrupção apressada da pergunta essencial. Denunciou, pelo contrário, uma espiritualidade desencarnada: os gnósticos concebem uma mente sem encarnação, incapaz de tocar a carne sofredora de Cristo nos outros, engessada numa enciclopédia de abstracções. Ao desencarnar o mistério, em última análise, preferem um Deus sem Cristo, um Cristo sem Igreja, uma Igreja sem povo.
 
Se quisermos saber onde está Deus, um bom caminho talvez seja o de perguntar onde estão os seres humanos: Deus é sempre novidade, que nos impele a partir sem cessar e a mover-nos para ir mais além do conhecido, rumo às periferias e aos confins. Leva-nos aonde se encontra a humanidade mais ferida e aonde os seres humanos, sob a aparência da superficialidade e do conformismo, continuam à procura de resposta para a questão do sentido da vida.
 
Deus não tem medo! Não tem medo! Ultrapassa sempre os nossos esquemas e não Lhe metem medo as periferias. Ele próprio Se fez periferia(10).
 
Por isso, se ousarmos ir às periferias, lá O encontraremos. Jesus antecipa-nos no coração daquele irmão, na sua carne ferida, na sua vida oprimida, na sua alma sombria. Ele já está lá.
 
É difícil e incómodo acolher essa presença real. Pensávamos que era um exclusivo da Missa.
 
Fr. Bento Domingues in Público, 27/9/2020
_____________
1 Cf. 7Margens, 19.09.2020
2 Cf. Gaudete et exsultate, Exortação Apostólica, 2018, nº 137
3 Gn 4, 9-10; Mt 25, 31-46
4 Lc 16,19-31
5 Mt 7, 21-23
6 Tg 2
7 Rm 12, 1-2
8 Jo 4, 23
9 Cf. Gaudete et exsultate, Exortação Apostólica, 2018.
10 Cf. Flp 2, 6-8; Jo 1, 14 e nota 2
26/09/2020 observações (0)
10/06/2018 observações (0)

Clausura do Jubileu OP

Clausura do Jubileu OP - Instituto S. Tomás de Aquino
31/12/2016 observações (0)

Fotos Conferências Timothy Radcliffe

Fotos Conferências Timothy Radcliffe - Instituto S. Tomás de Aquino
29/01/2017 observações (0)