Home » Família Dominicana

Família Dominicana

Comentário às Leituras Dominicais (Dez. 2019) por fr. José Nunes, op

Comentário às Leituras Dominicais (Dez. 2019)      por fr. José Nunes, op - Instituto S. Tomás de Aquino

 

8 Dezembro – Imaculada Conceição – A

O tempo litúrgico do Advento, em que estamos mergulhados, é um tempo especialmente mariano: Maria, que espera o nascimento do seu filho Jesus; nós, cristãos e Igreja, que aguardamos a celebração do Natal e a vinda efectiva de Jesus às nossas vidas e à história do mundo.
 
Mas é, também, um tempo muito apropriado para a celebração da Solenidade da Imaculada Conceição: é que esta faceta da Virgem Maria está directamente relacionada com o Natal, com a incarnação do próprio Deus. De facto, Maria foi acompanhada, protegida e envolvida no amor de Deus, desde a sua concepção, em vista duma missão: ser a mãe do Salvador, ser a mãe de Jesus.
 
O que se passou com Maria, porém, passa-se de forma semelhante com todos nós: cada um de nós foi concebido e nasceu envolvido no amor de Deus em vista de uma missão, em vista de uma determinada vida profissional, familiar, eclesial, etc. Compete-nos, isso sim, aceitar e colaborar com Deus nessa missão (o que Maria desempenhou de forma exemplar, com o seu ‘fiat’ inicial e ao longo de toda a sua vida) e não recusando-a ou sendo-lhe infiel (à maneira de Eva).
08/12/2019 observações (0)

Artigo do fr. Bento Domingues, op

Artigo do fr. Bento Domingues, op - Instituto S. Tomás de Aquino


A Data Incerta de uma Festa Admirável

 

1. Por mais paradoxal que isso possa parecer, no Evangelho de S. Marcos, considerado o mais antigo dos quatro Evangelhos, não há Natal! Por opção, começo pelo desfecho abrupto deste «livro de intenso encanto literário e um dos mais arrebatadores que alguma vez foi escrito». Desfecho tão abrupto que o seu tradutor, Frederico Lourenço, pergunta: é concebível que um livro em língua grega possa terminar com a palavra ”pois”? Mas é um facto. Vou transcrever esta tradução de ritmo grego em português. 
 
Conta S. Marcos que, «passado o sábado, Maria Madalena, Maria mãe de Tiago e Salomé compraram perfumes para irem embalsamá-lo. E muito cedo de manhã, no primeiro dia da semana, elas vão ao sepulcro tendo já nascido o sol. E diziam entre si: Quem rolará para nós a pedra da entrada do sepulcro? E tendo olhado à sua volta, vêem que a pedra tinha sido rolada para o lado; e era muito grande. E entrando elas no sepulcro, viram um jovem sentado à direita, vestido com uma túnica branca, e ficaram apavoradas. Ele diz-lhes: é Jesus, o Nazareno que procurais, o crucificado? Ressuscitou. Não está aqui. Vede o lugar onde o depuseram. Mas ide e dizei aos seus discípulos e a Pedro: Ele vai à vossa frente a caminho da Galileia; lá o vereis, tal como ele vos disse. E elas, saindo, fugiram, pois domina-as um tremor e um êxtase. E nada disseram a ninguém: tinham medo, pois»i(1). 
 
Este texto concentra algo que pode ser historicamente testado e algo que só pode ser interpretado como uma gloriosa confissão de fé: a vida de alguém que foi truncada pela morte mais cruel, mas não aniquilada. Aquela que parecia a última palavra é, afinal, a primeira de um começo novo: o crucificado está mais vivo do que nunca! São as mulheres as encarregadas de dar essa notícia, de última hora, aos discípulos. Estes, decepcionados com a crucifixão da velha esperança messiânica que os seduziu e enganou, tinham caído em depressão. 
 
O sábado já é passado. O primeiro dia da semana é o Domingo, o primeiro da mobilidade ilimitada do Espírito de Deus, invisivelmente presente a tudo e a todos, em liberdade, propondo um natal inédito a quem se sentir seduzido por esse caminho: nascer de novo, renunciando a velhas e novas ilusões de desejos loucos que sacrificam o futuro de todos no altar egoísta do presente. É um movimento espiritual sem relíquias do fundador e sem lugares privilegiados de encontro com o novo sentido da caminhada humana na história dos povos. 
 
Na vida terrena e limitada do Nazareno, manifestou-se uma tal forma de Deus ser Deus e do ser humano se tornar verdadeiramente humano, que os maravilhosos e indispensáveis textos do Novo Testamento (NT) confessam que o seu autêntico sentido só se realiza, quando suscita inéditas formas de transfigurar a vida dos que se julgam os esquecidos da terra e do céu. 
 
2. Depois do velho messianismo ter sido trucidado na crucifixão do Nazareno, acabaram os receios em confessar que Jesus é Cristo. Paulo sublinha que ninguém pode pôr um alicerce diferente do que já foi posto: Jesus Cristo(2). Daí resultou que, por volta do ano 44, em Antioquia, pela primeira vez, os discípulos receberam o nome de cristãos(3). 
 
Desde os finais do século XIX e durante várias etapas do século XX, tornou-se habitual distinguir o Jesus da história e o Cristo da fé. Não é que haja dois, mas duas abordagens: a que segue as exigências do método da exegese histórico-crítica e a das exigências da interpretação teológica, cristológica. São numerosas as obras sérias que estudam esta problemática(4). 
 
As fontes principais para essa dupla perspectiva são as narrativas dos Evangelhos e os escritos de S. Paulo. Esquecemos que a devoção popular alimentou-se, ao longo dos tempos, também dos chamados Evangelhos Apócrifos(5).  
 
Por volta do ano 200, estava praticamente formado o cânone actual do NT, embora ainda com algumas vacilações. No entanto, o Evangelho de S. João afirma: «muitas outras coisas fez Jesus que não estão escritas neste livro. Se fossem escritas uma por uma, penso que os livros sobre elas não caberiam no mundo»(6). 
 
A curiosidade popular queria saber, precisamente, o que não vinha escrito nos Evangelhos canónicos. Supõe-se que surgiram várias tradições orais sobre Jesus que não tiveram a sorte de serem reconhecidas e aceites pelo comum dos crentes. A verdade é que os escritos, que pretendiam dizer o que não vinha nos textos do NT – os chamados Evangelhos Apócrifos –, nasceram demasiado tarde, pelos finais do século II até ao século IV e ainda depois(7).  
 
3. Celebramos o nascimento de Jesus a 25 de Dezembro. Qual é o fundamento desta data? Nenhum. Também aqui, importa continuar com a distinção entre a contagem histórica e a estratégia de levar os cristãos a não alinhar com as celebrações de cultos gentios, por exemplo, do sol invencível, imposto pelo imperador Aureliano, a 25 de Dezembro de 274. Nessa altura, a Igreja de Roma tomou a decisão de designar essa data como a do nascimento de Jesus, pois é Ele, e não Mitra, o verdadeiro sol da vida. Como era algo incerta a história do nascimento de Jesus, esta substituição parecia a mais indicada para os cristãos não se sentirem atraídos por aquilo que os trairia. 
 
Antonio Piñero fez uma exposição cuidadosa, tanto acerca do dia do nascimento de Jesus como acerca do lugar em que nasceu. Concluiu que nem o dia nem o lugar têm base histórica suficiente(8). São opções legítimas de inculturação da fé em Jesus, o Cristo da nossa alegria. 
 
O nascimento de Jesus não pode ser um mito. Se teve a actuação que teve e o desenlace que lhe impuseram, tinha de ter nascido. Por outro lado, a fé das comunidades cristãs de que Ele continuava vivo e actuante tinha de se manifestar, segundo as novas circunstâncias de tempo e lugar. As chamadas narrativas da sua infância, diferentes em Mateus e Lucas, são magníficas criações de teologia literária. Isso fica para próxima crónica, assim como a carta do Papa Francisco sobre o Presépio. 
 
Fr. Bento Domingues in Público, 8/12/2019
_____________
1 Mc 16,1-8
2 1Cor 3, 11
3 Actos 11, 25-26
4 Cf. John P. Meier, Um Judeu Marginal. Repensando o Jesus Histórico, Imago, Rio de Janeiro, 1992; E.P. Sanders, A verdadeira história de Jesus, Editorial Notícias, 2004; Antonio Piñero, Jesus. A vida oculta, Esquilo, Lisboa 2007; Aproximación al Jesús histórico, Trotta, Madrid, 2019; José Antonio Pagola, Jesus. Uma abordagem histórica, Gráfica de Coimbra 2, 2008 (com bibliografia classificada).
5 QUÉRÉ, France (introdução). Evangelhos apócrifos. Lisboa: Editorial Estampa, 1991. É uma literatura que foi descoberta casualmente, em 1945, na chamada biblioteca Nag Hammadi (Egipto), além dos Manuscritos do Mar Morto descobertos no deserto da Judeia, entre 1947 e 1956.
6 Jo 21, 25
7 Cf. nota 5
8 Antonio Piñero, Jesus. A vida oculta, Esquilo, Lisboa 2007, pp. 15-21
08/12/2019 observações (0)
10/06/2018 observações (0)

Clausura do Jubileu OP

Clausura do Jubileu OP - Instituto S. Tomás de Aquino
31/12/2016 observações (0)

Fotos Conferências Timothy Radcliffe

Fotos Conferências Timothy Radcliffe - Instituto S. Tomás de Aquino
29/01/2017 observações (0)