Home » Família Dominicana

Família Dominicana

Comentário às Leituras Dominicais (Jan. 2020) por fr. José Nunes, op

Comentário às Leituras Dominicais (Jan. 2020)      por fr. José Nunes, op - Instituto S. Tomás de Aquino

 

19 Janeiro – 2º Domingo do Tempo Comum - Ano A

Pelo baptismo somos incorporados em Cristo Sacerdote-Profeta-Rei. As três leituras de hoje inserem-nos nesta realidade: Isaías toca a dimensão real (serviço), a carta aos cristãos de Colossos aborda o sacerdócio (santidade), e o evangelho apresenta a profecia em João Baptista e no próprio Jesus.
 
Isaías apresenta-nos a figura do Servo, chamado por Deus para desempenhar uma missão: ser luz das nações. É uma missão, portanto, universal, diz respeito a todas as nações! É, certamente, prefiguração da missão de Jesus e da missão actual da Igreja, justamente apelidada pelo concílio Vaticano II como ‘lumen gentium’ (luz das nações): servir a humanidade numa perspectiva libertadora. 
 
A carta aos Colossenses faz-nos um convite à santidade. Já a carta aos Efésios dizia que fomos predestinados por Deus «para sermos santos e irrepreensíveis na Sua presença» (Ef.1). Ser cristão é buscar a santidade, isto é, ser bom, viver coerentemente o evangelho (o que não é propriamente ser ‘santinho’ ou ‘anjinho’…).
 
João Baptista foi um verdadeiro profeta! Profeta, já o sabemos, não é o que adivinha o futuro, mas sim o que faz um discernimento no presente para descobrir qual a vontade de Deus no aqui e no agora. João Baptista, no meio do bulício da vida, no meio dos problemas sociais e situação política complicada que se vivia em Israel, no meio de inúmeros grupos socio-religiosos e orientações jurídico-religiosas para vida dos seus contemporâneos, no meio de todo esse complexo de preocupações, necessidades e aspirações, viu em Jesus o verdadeiro Profeta, o Filho de Deus, o Cordeiro de Deus. E assim o anunciou a toda a gente. Ele tinha verdadeiramente a perspicácia própria, um ‘faro’ especial (fruto do Espírito) para discernir a verdade no meio da confusão, aquilo que é luz e importante no meio da rotina e das trevas da vida.
 
Também hoje, ser profeta é discernir os sinais dos tempos, é descobrir por onde passa a vontade de Deus, que caminhos quer Ele que nós percorramos, individual e comunitariamente! Afinal, onde estão os apelos de Deus à nossa conversão hoje? A nível político, serão as preocupações ecológicas? Será o diálogo inter-religioso como resposta aos fundamentalismos? Será uma nova ordem económica mundial mais justa? E a nível eclesial, será a realidade dos novos movimentos eclesiais e as pequenas comunidades cristãs? Será um novo e maior protagonismo da mulher na vida da Igreja?
13/01/2020 observações (0)

Artigo do fr. Bento Domingues, op

Artigo do fr. Bento Domingues, op - Instituto S. Tomás de Aquino


Despoluir a Natureza e a Igreja

 

1. O poema bíblico da criação, ao celebrar a vitória sobre o caos e ao exaltar a harmonia humana e divina do universo, é fundamental para não desesperarmos dos trabalhos que exige a sua urgente recriação(1). 
 
O desequilíbrio ecológico tem muitas causas. Mas as crenças que exaltam o individualismo, o progresso ilimitado, a concorrência irracional, o consumismo, o mercado sem regras movido apenas pela ganância, tendem a ignorar que não vale tudo. Esquecem que não dispomos de outro universo suplente como alguma imaginação delirante supõe.  
 
Sem o sentido do sagrado, do mistério, sem sabedoria e ética, consentimos, dia a dia, em degradar a natureza que nos degrada a todos. Dispomos, no entanto, de recursos científicos e técnicos para poder dizer que, hoje, pode ser mais harmonioso do que ontem.  
 
As televisões encheram-se de imagens do fogo que, em Portugal no longo verão de 2017, dizimou a floresta em grande escala associada à tragédia da morte de dezenas de pessoas. A destruição em curso da Amazónia, pulmão da humanidade, foi ridicularizada pelo próprio presidente do Brasil. A Austrália em chamas tornou-se irreconhecível. Como se tornou hábito repetir, sem grande convicção, a crise climática tornou-se a questão incontornável. O próprio Papa a propôs na Encíclica Laudato Si’ que explicita contributos fundamentais sobre a educação ambiental e a conversão ecológica(2). Lamentavelmente, ainda não penetrou na pastoral constante das paróquias e dos movimentos da Igreja Católica.  
 
O contributo dos cientistas e a mobilização da opinião pública são indispensáveis para se criar um ambiente social e cultural que leve os decisores políticos a tomar medidas colectivas de âmbito mundial, pois a crise afecta o futuro de todos os povos. A revista Time elegeu, em 2019, a jovem Greta Thunberg Personalidade do Ano pela coragem interpelante da sua intervenção. Goste-se ou não do estilo, mostrou grande eficácia entre os jovens. 
 
A Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, em Madrid (02-15.12.2019) mostrou sobretudo o caminho que falta percorrer para vencer a cegueira dos países com maiores responsabilidades mundiais. A urgência era clara: em 2019 teria de haver um compromisso efectivo que reforçasse os objectivos decididos no Acordo de Paris de 2015, quanto às políticas para limitar o aquecimento global. Foi impossível chegar a esse compromisso.  
 
 A geopolítica de Madrid revelou que, do lado dos que diziam "não" ao compromisso, estavam os EUA, o Brasil, a Índia e a China; do lado oposto, estava uma coligação de pequenos Estados insulares – os mais afectados pelos efeitos das alterações climáticas, como a subida do nível das águas – e a União Europeia. 
 
2. Não é saudável ficar no reino poluído das lamúrias. Importa por isso destacar que, no passado dia 11, Lisboa recebeu o “testemunho” de Oslo, o prémio de Capital Verde Europeia 2020. Não é de admirar que na cerimónia oficial de abertura estivessem presentes: Marcelo Rebelo de Sousa, António Guterres, António Costa e o presidente da Câmara de Lisboa, Fernando Medina. 
 
Este galardão parecia um privilégio das cidades do Norte, pois é a primeira vez que é reconhecido a uma cidade do Sul. Mas este reconhecimento dos passos já dados e dos projectos em vias de execução são, para Lisboa, sobretudo um encargo acerca do que falta fazer em espaços verdes, transportes públicos, ciclovias, alterações climáticas, eficiência energética, uso da água, lixo e reciclagem. 
 
É algo explicitamente assumido pela autarquia, mas que será impossível realizar sem o empenhamento voluntário e militante dos cidadãos.  
 
Isto é possível. Por exemplo, se o objectivo da autarquia é ter mais 100 mil árvores na cidade até 2021, em relação às 800 mil existentes actualmente, no passado Domingo, mais de 4500 pessoas plantaram 20 mil árvores em 4 locais de Lisboa, como arranque da cidade Capital Verde Europeia 2020. O Programa, ao longo do ano, para sensibilizar a opinião pública, prevê um conjunto de conferências, iniciativas com escolas e universidades, espectáculos, exposições e festivais sobre o tema da sustentabilidade ambiental. Estes eventos devem ser um incentivo para que não seja apenas um acontecimento local, mas inspirador do que é possível fazer em todo o país. 
 
3. O Domingo é a Páscoa semanal, anterior à solenidade anual e, também, à escrita dos textos do Novo Testamento (NT). É um acontecimento originante para que toda a semana permaneça aberta à experiência espiritual da transcendência. O ser humano não deve exercer apenas o seu domínio sobre a natureza. Pertence-lhe estabelecer com ela uma “relação franciscana”, como diz P. Ricoeur, uma atitude de contemplação poética que inspire criação e recriação de beleza. É o grande dia ecológico. 
 
Para os cristãos, sem a celebração da Eucaristia – partilha do pão e do vinho, fruto do trabalho humano – o Domingo perde o seu Espírito. Por azares da história, a disciplina actual dos ministérios ordenados impede o acesso de muitas comunidades à celebração mais central da fé cristã. O mandato de Jesus – tomai e comei, tomai e bebei – é traído por desinteligência do que é o sacerdócio e do que são os ministérios na Igreja. 
 
No NT, o grande sacerdote é Cristo que deu a vida por todos. Sacerdotes são todos os que, pelo Baptismo, renascem para a vida cristã. Os padres e os bispos são serviços do sacerdócio de Cristo e do povo cristão. São funções da comunidade para a comunidade. É para isso que são ordenados. Não é para mandar como julgava a imaturidade dos discípulos que Jesus escolheu e com os quais lutou até ao fim, para a sua conversão: quem quiser ser o primeiro coloque-se ao serviço de todos, porque o Filho do Homem não veio para ser servido, mas para servir e dar a vida por todos. 
 
Celibato ou não celibato não estão ligados, ontologicamente, ao exercício dos ministérios ordenados. O carisma do celibato não é, de si, o carisma de um padre ou de um bispo. Na Igreja Católica houve sempre mulheres e homens que optaram por viver o celibato como uma grande graça e é característica de todas as congregações religiosas. 
 
O cardeal Ratzinger foi Prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé. Enquanto tal, criou o deserto teológico na Igreja Católica. Queria ser o único. Foi eleito Papa e resignou porque já não se sentia com forças para enfrentar a poluição do Vaticano. Não é Papa emérito, não é Papa, pura e simplesmente. Neste momento, não há dois Papas. Não lhe fica bem alinhar com a campanha dos adversários das reformas urgentes propostas pelo único Papa actual. 
 
Fr. Bento Domingues in Público, 19/1/2020
_____________
1 Génesis 1; 2, 1-4
2 Laudato Si’, nºs 210-216
19/01/2020 observações (0)
10/06/2018 observações (0)

Clausura do Jubileu OP

Clausura do Jubileu OP - Instituto S. Tomás de Aquino
31/12/2016 observações (0)

Fotos Conferências Timothy Radcliffe

Fotos Conferências Timothy Radcliffe - Instituto S. Tomás de Aquino
29/01/2017 observações (0)